A ATUAÇÃO DO NARRADOR/PROTAGONISTA EM DOM CASMURRO

Verônica Franciele Seidel

Resumo


A narração em Dom Casmurro ocorre em primeira pessoa através da voz da personagem que confere título ao livro. Dom Casmurro narra sua própria história, a história de Bentinho, o qual passa a ser Casmurro no momento em que, em sua casa do Engenho Novo, decide escrever suas reminiscências, dando origem a uma autobiografia ficcional.

O narrador de Dom Casmurro está revestido do poder e do espaço de voz dentro do texto, o que lhe confere autonomia e direito de julgamento e de crítica acerca dos fatos narrados. Este narrador encontra-se livre de um tempo cronológico e linear, sendo que lhe é permitido criar um tempo constelar, tempo em que a criação literária se faz. Se tal processo gera erros ou falsificações, estes estão dentro da lógica da ficção (BRANDÃO; OLIVEIRA, 2010).

É possível estabelecer uma relação intertextual de um fragmento de Esaú e Jacó, outro romance da autoria de Machado de Assis. Nessa obra há a afirmação de que "O tempo é um tecido invisível em que se pode bordar tudo, uma flor, um pássaro, uma dama, um castelo, um túmulo. Também se pode bordar nada. Nada em cima de invisível é a mais sutil obra deste mundo, e acaso do outro." (cap. XXII, p. 976). Parafraseando esse trecho, pode-se afirmar que toda a narração em Dom Casmurro encontra-se sob o jugo da memória, que é arbitrária e seletiva, em função do tempo decorrido entre os fatos e sua narração. "Toda a narrativa [de Dom Casmurro] fica marcada pelo tempo e pelo espaço da escritura (da enunciação) e pelo tempo e espaço da memória, num movimento entre o presente e o passado" (CELIDONIO, 2006, p. 119).


Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, M. Obra completa. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguiar S.A., 1997.

BRANDÃO, R. S.; OLIVEIRA, J. M. O escritor é, antes de tudo, um leitor. Machado de Assis em linha, ano 3, nº 5, junho de 2010.

CELIDONIO, E. P. A paternidade em Dom Casmurro: ocultamentos e revelações. 2006. 216f. Tese (Doutorado em Literatura Comparada) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

GUIMARÃES, H. S. Os leitores de Machado de Assis: o romance machadiano e o público de literatura no século 19. São Paulo: Nankin: EdUSP, 2004, p. 223.

GUSDORF, G. Condiciones y limites de la autobiografia. In: La autobiografia e sus problemas teóricos: estúdios y investigación documental. Antropos, Barcelona, nº 29, p. 9-17, dezembro de 1991.

HERINGER, V. Diálogos em falência: o sagrado e o profano em Dom Casmurro. Machado de Assis em linha, ano 3, nº 6, dezembro de 2010.

KOTHE, F. R. Literatura e sistemas intersemióticos. São Paulo: Cortês, 1981, p. 35.

SARAIVA, J. A. O circuito das memórias: narrativas autobiográficas romanescas de Machado de Assis. São Paulo: Nankin: EdUSP, 2009, p. 95.

SCHNEIDER, M. Ladrões de palavras: ensaio sobre o plágio, a psicanálise e o pensamento. Trad. Luiz Fernando P. N. Franco. Campinas: Ed. Unicamp, 1990, p. 277.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

revista Linguasagem

ISSN: 1983 -6988